Planejando seu estudo para concursos


A conquista de um cargo público não é algo trivial, afinal de contas os benefícios que acompanham esta conquista também não são. Se você quer chegar lá, precisará de esforço, dedicação e foco. E, para ter esse foco, para o seu estudo realmente dar frutos, é importante que você se planeje. Se planejar bem significa fazer o seu esforço render MUITO mais.

Meu nome é Bruno e atualmente sou o responsável por evoluir o Mapa da Prova para ser uma ferramenta de estudos cada vez mais eficiente em conduzir os estudantes à aprovação. Para quem não sabe, o Mapa é um site onde você pode estudar por questões para o seu concurso, completamente focado no conteúdo específico para o seu cargo.
Há alguns anos que, para fazer meu trabalho, eu busco entender como é um ciclo de estudos bem feito. Nesse intuito, li boa parte da literatura sobre estudo para concursos e converso com frequência com professores, coaches, estudantes e principalmente com aqueles que foram aprovados.
“Processando” toda essa informação, comecei a perceber o que faz diferença em uma boa preparação. E uma destas coisas que realmente faz a diferença, que podemos considerar como sendo a “espinha dorsal” da sua estratégia, é o planejamento. Ao conversar com quem chegou lá, é nítido que o caminho ficou mais curto e mais fácil depois que eles aprenderam a se planejar.

Por que se planejar?

As duas melhores respostas que posso te dar são:

1 - Para ter Paz de Espírito na hora de estudar!

É comum aos concurseiros uma voz interior que não gosta de se calar e que diz assim: “Você devia estar estudando!”. Você já ouviu isso? Pois é, esta voz pode ser uma amiga da sua consciência ou pode ser uma carrasca que fica te martirizando com a culpa.
O planejamento serve exatamente para colocar essa voz no lugar certo, como uma amiga tranquila que te ajuda a caminhar.
Se você se planeja e segue o plano, não precisa ficar o tempo todo pensando se devia estar estudando outra coisa ou se devia estar estudando mais. Existe sim a hora de pensar nisso, mas não é na hora de estudar, como vou explicar logo adiante.
Com um bom planejamento, você pode estudar com mais concentração e relaxamento. E estudar com mais concentração significa que seu estudo vai valer mais. Além disso, você pode encostar a cabeça no travesseiro à noite e dormir melhor com mais tranquilidade. Só isso já te dá uma bela vantagem.

2 - Para conquistar o melhor resultado possível

Essa é a função mais explícita do planejamento. Na hora de fazer a prova, você tem que sentir que fez o melhor que pôde até ali. Para isso, é importante ter um plano e caminhar por ele. E também é fundamental refletir sobre ele. Vejamos…

Existem duas “Regras de Ouro” no planejamento

Existem duas regras de ouro para quem quer fazer um bom planejamento. A primeira é que você deve separar muito bem as horas de planejar das horas de estudar. Quando estiver planejando, não estude. Não “aproveite” para dar uma “estudadinha” na matéria. Acredite, não faça isso!
A hora de planejar é simplesmente para você decidir o que vai fazer. É uma das horas mais importantes do seu estudo, pois é quando você decide como gastará da melhor maneira o seu tempo.
E a hora de estudar é exatamente o outro lado da moeda. É a hora em que você está em modo de executar o que planejou. Nesta hora você não pode se questionar se devia ou não estar fazendo aquilo.
Se você estiver inseguro sobre se deveria estar estudando aquele assunto, você não conseguirá se concentrar. Nesta hora você precisa estar entregue ao estudo “de corpo e alma” como se diz.
Resumindo: na hora de planejar, planeje e não estude. Na hora de estudar, estude e não planeje (e nem critique o planejado).
A segunda regra que também considero fundamental é tão simples e forte como a primeira, você deve reservar um momento e refletir sempre sobre o seu planejamento. Tem gente que quer fazer o melhor plano do mundo logo de primeira. Fazemos planejamentos semanais aqui no Mapa há anos e posso te dizer com tranquilidade: tentar planejar tudo muito detalhado desde o início é uma canoa furada!
Até hoje toda semana paramos para refletir sobre o plano da semana passada. E isso é fundamental para que possamos evoluir mais rápido. A cada fim de um ciclo, reflita se o que você fez deu resultado. Isso é simples não? E pode ter certeza, é muito importante.

A Escolha do Concurso

Para se planejar, é fundamental saber o concurso que vai fazer. Não vou me estender muito nesse assunto neste post, pois ele merece um post por si só. Caso você ainda não tenha se decidido, veja este artigo da Lia Salgado sobre isso. Por hora, vou deixar aqui algumas dicas de aprovados com quem conversei.

  • Saiba qual a frequência do concurso que você vai fazer. Entrevistei uma pessoa que estudou para um concurso que ela achava que seria aberto, porém o concurso só foi aberto muitos anos depois. (Rosi)
  • Conheça as matérias do seu concurso. Se você está começando e precisa logo de um salário para se sustentar, eu recomendo escolher uma área/cargo em que o núcleo central das matérias seja mais comum. Com isso você vai fazer o seu estudo ser válido para diversos outros concursos. (Túlio)
  • Tendo definido o seu concurso, conheça bem o edital. No melhor dos casos, o estudo começa antes da publicação do edital. Neste ponto, é importante olhar os editais anteriores e conversar com calma com as pessoas para decidir quais matérias você vai estudar. Há muito mais no edital do que a matéria e o salário, ok? (Gledson)
  • Já pensou em ficar estudando dois anos para a polícia, conhecer profundamente todos os assuntos, para só depois saber que você tem dois centímetros a menos que o necessário para ser aprovado? Acredite, isso acontece. Por isso vou repetir aqui: conheça bem o seu edital! (Rosi também)
    Bom, dicas dadas, voltemos ao planejamento…

    Grandes ciclos

    Como o plano evolui com o tempo, e pode mudar de acordo com a vida de cada um e com a data de publicação do edital, não faz sentido planejar tudo bem detalhadinho de hoje até o dia da prova. Até porque, se o seu edital não saiu, você não sabe a data da prova.
    Mas, da mesma maneira que você precisa ter um plano do que vai estudar nos próximos dias para ter paz de espírito no estudo, você precisa ter um plano mais amplo de hoje até a data do concurso. Recomendo planejar de dois a três grandes ciclos.
    Geralmente os dois grandes ciclos mais evidentes são antes do edital e depois dele. Porém, se você está começando a estudar com uma distância boa do edital, pode pensar em três ciclos:
  • matérias básicas;
  • matérias básicas + avançadas; e
  • matérias básicas + avançadas + específicas;

Uma boa reflexão para definir quais são estas matérias é pensar naquelas que podem ser úteis para mais concursos do seu foco. As mais específicas por outro lado, são aquelas que só caem em um concurso, como regimentos internos e leis muito específicas. Além disso, você pode escolher colocar uma matéria no grupo das básicas ou avançadas de acordo com o esforço para aprender aquela matéria.
Em casos extremos, quando uma matéria é muito difícil, tem poucas questões e não tem uma nota mínima obrigatória para ela, você pode inclusive fazer uma opção inteligente por não estudar essa matéria.
Tudo isso vai depender muito de quanto tempo você tem até a prova e de outros fatores de sua vida pessoal como viagens, trabalho, etc… Mas é importante ter esse plano mais amplo e sempre pensar sobre ele nos momentos de retrospectiva, além de ajustá-lo sempre que necessário.
Exatamente porque, de vez em quando, você precisará ajustar o plano quando não vale a pena ele ser muito detalhado. Pois, se você tiver que refazer muita coisa, você provavelmente vai sentir alguma preguiça ou desânimo para mexer. Mantenha esse plano enxuto e claro na sua mente para poder caminhar.

Ciclos menores

Todos os aprovados com quem conversei faziam ciclos de estudo. Alguns desde o começo e outros depois que aprenderam a estudar direito. E, é claro, alguns ainda fazem, pois continuam estudando para passar em outros concursos.
Existem duas grandes maneiras de se fazer esses ciclos:
Na primeira, há os que fazem planos semanais/quinzenais e grades horárias, planejando direitinho o que vão estudar em cada hora do dia. Esses geralmente definem o começo e fim do ciclo na semana ou quinzena. É uma boa maneira, pois força a pessoa a estudar em determinados horários, porém é meio complicado gerenciar quando acontecem coisas imprevistas.
Já na segunda maneira, há os que ciclam as matérias e vão fechando um ciclo quando estudam uma quantidade pré-determinada de horas em cada uma delas. Esse ciclo é mais adaptável às coisas do dia a dia.
Porém, por outro lado, você precisa ter uma determinação firme de estudar. Esse ciclo não te força a estudar em um horário determinado. Um jeito bom é você definir um número fixo de horas por ciclo e se esforçar para fechar cada um em intervalos cada vez menores.
Seja qual for o ciclo que você escolher, de uma coisa você não deve abrir mão: sempre avalie e acompanhe a sua evolução no fim de cada ciclo. Isso é o mais importante.
Essa avaliação deve ser a base para o planejamento do próximo ciclo. Você já sabe quais matérias vai estudar, pois definiu isso nos grandes ciclos, mas sempre precisa reavaliar quantas horas vai estudar cada matéria e quais assuntos vai analisar.
Você vai perceber que definir ciclos vai dar um ritmo ao seu estudo. O tamanho do ciclo é o menos importante. Com o tempo você vai encontrar o tamanho que é melhor para você. O mais importante é que cada ciclo tenha um começo, meio e fim. E, como já falamos antes, que tenha momentos bem definidos para você refletir, planejar e estudar.

Mas o que colocar nesses ciclos?

Coloque no ciclo as matérias que você deseja estudar, conforme definidas pelos grandes ciclos.
Busque sempre aprimorar os seus critérios de escolha das matérias, dos assuntos e do tempo que vai se dedicar a cada uma. Algumas coisas que já conversei com os aprovados e que devem ser úteis para você são:

Devo estudar uma matéria de cada vez?

Você já deve ter deduzido a minha opinião, pelo que falei até agora. Todos com quem conversei me disseram que tiveram melhores resultados estudando todas as matérias em cada ciclo.
Ouvi dizer que há exceções, mas caso você não tenha muita certeza do que está fazendo, é melhor seguir o que dá certo para a maioria dos aprovados: estude uma de cada vez. Estudar um assunto só sem parar pode ser muito cansativo para a maioria das pessoas. O cérebro possivelmente vai se acomodar e assimilar menos informações.
Por isso, sugiro revezar as matérias. Uma prática recomendada para deixar o estudo mais dinâmico é revezar matérias que exigem raciocínio e exercícios com outras que exigem mais leitura.

Como distribuir as matérias nos horários?

Isso é muito pessoal. Você deve se examinar e tirar suas próprias conclusões sobre o que rende mais. Talvez um assunto novo ou muito difícil seja melhor no começo do dia? Ou será que é melhor à noite depois dos filhos dormirem?
O mais importante é se observar e ver o que funciona melhor para você. Isso também deve ser feito para você escolher que hora faz suas revisões, exercícios, etc…

A escolha dos assuntos a estudar

Escolher bem os assuntos e tempo de estudo vai te colocar em um caminho de evolução mais rápida, pode ter certeza. Ainda vou escrever um outro texto falando disso, mas lanço algumas perguntas fundamentais aqui:

  • qual o próximo assunto que vai te dar a maior chance de pontuar na prova?
  • existem assuntos nos quais você ainda não está fazendo a nota mínima?
  • quais assuntos são geralmente mais cobrados?
  • geralmente quais assuntos são cobrados em maior profundidade?
  • há novos assuntos no seu edital que nunca foram cobrados?
  • Você demora mais para aprender algum assunto importante?
  • há assuntos que valem a pena não estudar ou abordar superficialmente?

E os intervalos?

Os intervalos são essenciais para o cérebro poder “digerir” o conteúdo estudado. Você deve estudar um tempo e sempre fazer um intervalo para a cabeça poder se desligar por um instante dos estudos.
Quanto tempo? Há quem diga que esse tempo é 25 minutos de estudos para 5 de intervalo. Há quem diga que só se mantém a atenção por 50 minutos, enquanto há quem diga para você se concentrar 1 hora e meia. Há muitas pesquisas nesse sentido e o que parece ser unanimidade é que o intervalo é necessário.
Assim, recomendo que você experimente e decida o melhor equilíbrio entre estudo e intervalo. Só lembrando: você quer passar, correto? Então não vale definir um período de estudo de 5 minutos com intervalos de 1 hora, combinado?

Estudo X Revisão

Vale notar que, ao distribuir os seus horários de estudo, não quer dizer que naquele período você só vai ler ou assistir aulas. Revisar o assunto é tão importante quanto estudá-lo. Talvez até mais. Se você pesquisar sobre “curva do esquecimento” ou “revisão sistemática” entenderá o que estou falando.
O Alexandre Meirelles explica isso de maneira bem didática no seu livro “Como estudar para concursos”. Vale a pena ler para entender o porquê disso que estou falando.
De maneira prática, o que ele explica ali é que você será enormemente beneficiado se revisar um assunto com uma frequência mais ou menos assim:

  • Uma vez no dia seguinte ao estudo.
  • Uma vez na semana seguinte ao estudo.
  • Uma vez no mês seguinte.
    Além disso, uma parte fundamental deste processo de revisão é a resolução de questões de provas anteriores. Além de praticar para o seu concurso, com a resolução de questões você pode ter uma medida objetiva de como está seu desempenho em cada matéria estudada.
    Medir objetivamente a porcentagem de questões que você acertou fará com que você possa decidir o que é mais importante revisar da próxima vez. Também dará mais critérios para que você possa refletir a respeito do seu estudo e do seu planejamento.

    Refletir e revisar o seu planejamento e forma de estudo

    Só para deixar claro: eu deixei este tópico por último por ser o que eu considero o mais importante de todos. Isso ficou visível para mim depois de uma conversa que tive no ano passado com um aprovado, o Judah Reis.
    O Judah foi aprovado em terceiro lugar para o Banco Central no ano passado e eu o convidei para vir aqui conversar. Porém, o que eu não sabia ao chamá-lo é que ele havia estudado apenas 6 meses e que nesses 6 meses ele havia sido aprovado em todos os concursos que fez: BACEN, ANTT, MPU e MPOG.
    Fiquei examinando a estratégia que ele usou para ver se encontrava o ponto mais forte dela e, assim, eu poderia passar para todos os usuários do Mapa da Prova.
    Converso frequentemente com muitos aprovados. É impressionante como todos relatam um erro básico e comum a quase todos no início da sua preparação. Praticamente todos com quem conversei começaram a estudar simplesmente pegando um livro e começando a ler “como se fosse um romance”.
    O Judah começou a me contar sua trajetória desse mesmo jeitinho. Alguns ficam presos nesse erro por um longo período, mas o Judah ficou por pouquíssimo tempo. Logo que ele começou a estudar, parou e refletiu. Então viu que não estava dando certo o que estava fazendo.
    Ele foi procurar um jeito de melhorar e, não satisfeito ainda, resolveu criar uma “matéria” nova para estudar, a qual deu o nome de “aprender a aprender”. Daí em diante, ele estudava todas as matérias no seu ciclo de estudo e mais essa, ou seja, a cada ciclo ele parava para refletir se seu estudo estava sendo feito da melhor maneira, além de avaliar como isso poderia melhorar.
    Vejamos um caso no outro extremo. A Rose, outra aprovada com quem conversamos, demorou 6 anos até a aprovação. Mas por que? Ela explicou que ficou estudando por 5 anos sem ter muito método, sem refletir a respeito de como estava estudando.
    No sexto ano, ela contratou um coach que a ensinou como estudar e a fez refletir sobre isso. Adivinha qual o resultado? A sua primeira aprovação!
    Por isso, concluo este artigo com esta mensagem para você que está estudando: coloque no seu planejamento, a cada ciclo, de preferência no fim dele, um momento para refletir sobre o resultado do que você fez naquela semana.
    Uma dica que achei interessante da Rose foi a seguinte: sempre que resolve questões, ela olha seu desempenho para saber se está melhorando naquela matéria. Se ela percebe que não está, então muda o jeito de estudar.
    Seu estudo não está dando certo? Troque o livro, contrate uma vídeo-aula, mude o ambiente de estudos, faça um cursinho… A decisão é sua. Porém, não espere até depois da prova para saber disso, ok? Reflita antes. Só se lembre da primeira regra de ouro: existe a hora de estudar e a hora de refletir e planejar.
    Os “finalmentes”

    Há muito mais a ser dito a respeito de cada um desses tópicos. Porém, procurei manter o artigo focado mais no planejamento. Ainda publicaremos artigos mais específicos.
    E então, vamos exercitar a revisão? Em resumo, colocando no liquidificador tudo o que eu falei, dá a seguinte vitamina para o seu estudo:
  • Faça seu planejamento para não ficar aflito. Saiba que está fazendo sempre o seu melhor!
  • Na hora de planejar, planeje. Na hora de estudar, estude.
  • Escolha direito um concurso e conheça bem o edital.
  • Tenha um ciclo mais amplo e menos detalhado de estudos.
  • Faça bem detalhado o ciclo mais curto de estudos.
  • Estudar não é só assimilar conteúdo, é também revisar e exercitar.
  • Seu ciclo mais curto deve ter bem definido quando deve começar e quando deve concluir.
  • Ao concluir cada ciclo, reserve sempre um tempo para revisar se o que você está fazendo está dando resultado e use isso como base para planejar o próximo.
  • Novamente para reforçar: Na hora de planejar, planeje. Na hora de estudar, estude.
  • E também memorize isso: Estudando direito, você será aprovado!

Espero que estas dicas sejam úteis para o seu estudo. Com certeza, há muito o que melhorar no texto e ideias diferentes. E também, com certeza, há estratégias diferentes que funcionam bem para outras pessoas. Você gostou deste post? Tem algo a contribuir? Vou ficar bem feliz com o seu comentário aqui para conversarmos a respeito. Sucesso!

Bruno Reis é sócio fundador e gerente de produto do Mapa da Prova. É atualmente o responsável por entender as estratégias de estudo dos aprovados e transformar isso em software.

Compartilhar