O que você precisa saber sobre o concurso do TRF-3


O Blog do Mapa da Prova preparou um panorama do tribunal, além de conversar com a 1ª colocada para o cargo de Analista Judiciário no último concurso, em 2007. Veja, a seguir, as informações que podem aumentar suas chances de fazer parte do quadro de servidores.
_

O TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL
O Tribunal Regional Federal da 3ª Região compreende as seções judiciárias de São Paulo e do Mato Grosso do Sul. Os Tribunais Regionais Federais (TRFs) representam a segunda instância da Justiça Federal. São responsáveis pelo processo e julgamentos dos recursos contra as decisões da primeira instância, além dos mandados de segurança, Habeas corpus e Habeas data contra ato de Juiz Federal, e das ações rescisórias, revisões criminais e conflitos de competência.
Em cada Tribunal Regional Federal há uma Corregedoria-Regional da Justiça Federal, responsável pelas correições, inspeções e sindicâncias na primeira instância. Também são responsáveis pela edição de provimentos e instruções objetivando a uniformização da atividade jurisdicional e do serviço forense.

COM A PALAVRA, A APROVADA
Denise Toscano foi a 1ª colocada no concurso para Analista Judiciário do TRF- 3ª Região de 2007. Empossada em 2008, atualmente ela trabalha na 3ª seção - Direito Previdenciário. Já atuou também na 1ª Seção (Criminal e Contratos, entre outras matérias).
Denise se formou em Direito pela Universidade de São Paulo (USP) em 2006 e, após a graduação, decidiu começar a se preparar para o concurso do TRF-3. Sua decisão se deu, em parte, pelo fato de a atuação como servidora no TRF-3 ser privativa para bacharéis em Direito e, portanto, contar como tempo de atividade jurídica, o que é exigido em concursos para a magistratura e para o Ministério Público, carreiras as quais Denise considera a possibilidade de seguir futuramente. Outro atrativo apontado por Denise, é o horário de trabalho fixo que facilita o planejamento de estudos, caso decida se preparar para outros concursos.

Preparação
A servidora conta que sua preparação para o concurso do TRF- 3 foi de cerca de seis meses. “Me formei em dezembro de 2006 e a prova do concurso foi aplicada em julho de 2007. Durante esse período me dediquei exclusivamente aos estudos. Frequentava um curso preparatório pela manhã e estudava à tarde. Quando faltava um mês e meio para a prova, me matriculei também em um curso preparatório específico para candidatos ao cargo de Analista Judiciário no TRF-3,” relata.

O que focar
Para quem se prepara para o próximo concurso, Denise dá a dica: “Quando estava me preparando, procurei manter o foco no edital para o cargo de analista”. Ela recomenda que os candidatos procurem fazer concursos da área a qual pretendem ingressar para praticar. Outra estratégia de Denise foi estudar os itens do edital de acordo com a “letra da lei”. “No concurso para analista judiciário é mais importante conhecer a lei conforme sua redação exata do que se preocupar com jurisprudência ou entendimentos doutrinários, que são mais valorizados em concursos para magistratura, por exemplo”, explica.

Exercícios
Denise recomenda que os candidatos procurem resolver muitas provas da Fundação Carlos Chagas (FCC), banca que organizará o concurso. “Resolver questões da banca organizadora, sobretudo no mês que antecedeu a prova foi muito importante para mim”, revela. “Contar com essas questões de forma organizada pode ser uma grande vantagem,” completa.

Cotidiano no TRF-3
Entre os fatores positivos que Denise aponta no ambiente de trabalho no TRF-3, destacam-se a boa estrutura e o convívio com os colegas. Ela conta que o trabalho dentro do gabinete, em linhas gerais, consiste em elaborar minutas dos processos para apreciação do desembargador. “Já trabalhei em dois gabinetes, com cerca de 20 pessoas cada. Além do Desembargador, do Assessor e do Chefe de Gabinete, a equipe de cada gabinete dispõe de servidores públicos, funcionários, estagiários etc. Atualmente trabalho no gabinete do desembargador Fausto De Sanctis. Nos dois gabinetes tive bons chefes que sempre buscaram ajudar os servidores. Nos gabinetes por onde passei, as pessoas colaboram muito umas com as outras”, afirma.

Adaptação
Sobre eventuais dificuldades que teve no começo da carreira, Denise comenta: “Quando fui empossada, minha experiência profissional se resumia a alguns estágios que fiz no período de universidade. Então, não estava muito familiarizada com o andamento dos processos e tive que aprender questões mais específicas do cotidiano do tribunal. Mas isso é normal e sempre haverá novos desafios a serem superados na carreira”, conta. “Além disso, o setor de Recursos Humanos do Tribunal é muito competente e adota boas práticas para ambientar os novos servidores. Existe, inclusive, a preocupação de tentar, na medida do possível, direcionar os novos servidores para as áreas que melhor se adequem aos seus perfis e expectativas. Me senti muito bem acolhida quando tomei posse”, completa.

VAGAS, INSCRIÇÕES E PROVAS
O concurso teve o edital publicado no último dia 30 de outubro e irá selecionar 260 novos servidores entre Analistas e Técnicos Judiciários.
As vagas para o cargo de Analista Judiciário (nível superior) são para a Área Judiciária e Oficial de Justiça Avaliador Federal (exclusivas para bacharéis em Direito) e, também, para a área de Apoio Especializado, em diversas especialidades. A remuneração inicial para o cargo de Analista Judiciário é de R$ 7.566,42.

Para os candidatos ao cargo de Técnico Judiciário (ensino médio), as vagas são para a Área Administrativa e de Apoio Especializado em várias especialidades. A remuneração inicial para o cargo de Técnico Judiciário é de R$ 4.635,03.

O concurso será organizado pela Fundação Carlos Chagas (FCC). As inscrições para o concurso estão abertas até o dia 29 de novembro e podem ser feitas, exclusivamente pela internet, no site da Fundação Carlos Chagas (FCC). A taxa de inscrição é de R$ 75,00 para todos os cargos de Analista Judiciário e de R$ 65,00 para os cargos de Técnico Judiciário.
As Provas Objetivas, Estudo de Caso e de Redação serão realizadas nas cidades de Araçatuba, Bauru, Campinas, Marília, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Santos, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo e Sorocaba, no Estado de São Paulo, e em Campo Grande e Dourados, no Estado de Mato Grosso do Sul, conforme opções de Unidade de Classificação/Cargo/Área/Especialidade e Cidade de Realização das Provas indicadas pelo candidato no Formulário de Inscrição, com previsão de aplicação para o dia 19/01/2014, nos seguintes períodos:
a) no período da MANHÃ: cargos de Técnico Judiciário - todas as Áreas/Especialidades;
b) no período da TARDE: cargos de Analista Judiciário - todas as Áreas/Especialidades.

MAPAS
O Mapa da Prova tem questões de acordo com o edital (mapas) para os seguintes cargos desse concurso:

-> VEJA TAMBÉM: TRF-3: As cinco dicas da 1ª colocada no último concurso

Compartilhar