Conheça o TJ-CE pelo relato de um Analista Judiciário


Além de muita preparação para o concurso público, um fator diferencial é entrar no órgão conhecendo as atividades desenvolvidas na prática, o dia a dia na função e a percepção dos próprios servidores. O Analista Judiciário Pedagogo do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), Joseton Silva dos Santos, trabalha atualmente no Serviço de Treinamento. Ele relata como conseguiu ser aprovado em 2008 e descreve o seu trabalho dentro do órgão.

O Analista Judiciário explica o motivo de escolher o concurso do TJCE. “Primeiro, porque havia duas vagas para a minha profissão de Pedagogo. Segundo, porque sempre sonhei em trabalhar na Justiça. Terceiro, porque o conteúdo programático estava dentro do que já vinha estudando”.
Ele acrescenta que o concurso do TJCE surgiu como uma oportunidade. “Não pensei duas vezes para fazê-lo. Passei uns quatro anos estudando, mas apenas em 2008 tive foco nos concursos certos e me dediquei realmente aos estudos com maior disciplina”, recorda.
Joseton realizou vários concursos, mas a maioria sem sucesso no início da sua trajetória. Nos últimos quatro anos, ele teve um bom desempenho nas provas da Infraero, Correios, Instituto Federal do Ceará e Tribunal de Justiça do Ceará, com aprovação nos dois últimos.

“Estou num local no qual me identifico, os colegas são comprometidos, minha remuneração é razoavelmente boa e, além disso, tenho boas perspectivas de carreira dentro da Instituição”

A maioria dos estudantes considera algumas disciplinas mais difíceis do que outras. Para Joseton, não foi diferente, por isso realizou pesquisas: “Tive dificuldade com o Código de Organização do Poder Judiciário, pois nunca tinha estudado, não sabia onde encontrar inicialmente e, também, não existiam exercícios sobre esse tema. Pesquisei na internet e em apostilas de concurso de amigos, e elaborei questões para exercitar”.
A Língua Portuguesa é considerada, para Joseton, a disciplina que merece maior atenção. “Português é uma matéria essencial e que, realmente, separa o joio do trigo”. Ele estudava, em média, seis horas por dia, buscando melhor desempenho e aprendizagem. Ele também considera essencial a prática de exercícios físicos para diminuir a ansiedade e manter o corpo saudável, além de conciliar outras atividades sociais para a “mente não enlouquecer”.
O Analista Judiciário afirma que a escolha de estudar para concursos não é fácil. “Significa abdicar de muitas coisas, como ter independência financeira, além de que você se isola um pouco dos amigos, sai menos e se comunica menos, porque tem de estar focado e com disposição para estudar nos dias que se seguem (depois de uma ‘noitada’ com os amigos, não tem como ter um bom aprendizado no dia seguinte)”, avalia.
Dicas que Joseton considera importantes:


Crie uma rotina de estudos; Tenha confiança em si mesmo;
Tenha consciência que você levará um tempo para passar em um concurso. Até lá, você vai levar “bomba” em vários; Faça um cursinho para conhecer algumas dicas de professores;
Crie seu próprio método de estudos; Resolva muitas questões;
Entenda que aquilo que você estuda hoje não se perderá, mas vai somar aos conhecimentos que já existem e aos que virão; Cuide da mente e do corpo;
Por fim, tenha foco e aprenda a abdicar das coisas que desviam dele.
Por dentro do TJCE

Assim que tomou posse como Analista Judiciário no Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), Joseton Silva descreve que o início do trabalho não foi como esperava, mas logo foi para outro setor no qual se identificou mais. “O setor tinha mais a ver com a minha formação e um ambiente de trabalho excelente!”, destaca.
O Analista Judiciário afirma que sentiu dificuldades na adaptação ao novo ambiente de trabalho: “Antes de entrar no Tribunal, trabalhei no Instituto Federal de Educação do Ceará. Dessa forma, ir para o TJCE foi uma mudança ‘da água para o vinho’. A cultura organizacional é totalmente diferente, com um ambiente mais formal e as relações de trabalho mais hierarquizadas”.
No entanto, Joseton pondera que esse momento era apenas uma questão de adaptação, passou a manter boas relações e um bom trabalho. Quanto aos desafios atuais, ele salienta: “O maior desafio, hoje, é superar a burocracia administrativa sendo eficiente e tendo boa produtividade, que são exigências”.
Durante esses cinco anos no TJCE, Joseton trabalhou como chefe em exercício, em duas oportunidades, substituindo o chefe imediato em suas férias. “É uma experiência muito enriquecedora, pois você passa a ter novas responsabilidades e uma visão global do trabalho no setor e na Instituição”, explica.
Joseton salienta os pontos que mais gosta no seu trabalho: “Estou num local no qual me identifico, os colegas são comprometidos, minha remuneração é razoavelmente boa e, além disso, tenho boas perspectivas de carreira dentro da Instituição”.
A respeito dos benefícios oferecidos pelo TJCE aos seus servidores, ele acrescenta: “Além da estabilidade comum ao servidor público, há diversos tipos de gratificações, inclusive aquela por alcance de metas, que estimula bastante os servidores”.
O Analista Judiciário relembra que, em 2010, foi aprovado o Plano de Cargos e Carreira para os servidores do Poder Judiciário cearense, o que considera uma boa mudança. “Foi bastante positivo para os novos servidores, tanto financeiramente, como na carreira”, afirma.
Para concluir, Joseton destaca que está contente com o relacionamento entre os colaboradores no local onde trabalha: “No meu setor atual, é excelente! Mas as relações de trabalho variam de setor para setor. Desejo sorte para quem for assumir!”
Concurso do TJCE

Em 2008 ocorreu o último concurso do Tribunal de Justiça do Ceará para os cargos abaixo, quando o número de convocados foi bem maior do que o número de vagas oferecidas:
Técnico Judiciário: Área Judicária: 35 vagas; 196 aprovados e convocados
Examinador de Mandados: 50 vagas; 270 aprovados e convocados Ciência da Computação: 10 vagas; 51 aprovados e convocados.
Técnico Administrativo: 35 vagas; 180 aprovados e convocados. Analista: 60 vagas; 320 aprovados e convocados.
O concurso deste ano oferece, ao todo, 238 vagas incluindo as de cadastro reserva para cargos de Analista e Técnico Judiciário para capital e interior, assim como vagas para candidatos com deficiência. As remunerações variam de R$ 3.980,17 a R$ 8.937,28.
No dia 11 de maio, serão realizadas as provas objetivas e a discursiva para os cargos de nível superior com duração de 5 horas no turno da manhã. Na mesma data, também serão aplicadas, no período da tarde, as avaliações para nível médio.
Confira a análise do edital publicada em nosso blog.

Por: Giselli Vieira / Assessoria de Comunicação do Mapa da Prova
Compartilhar