Conheça as 7 principais alterações no edital do Banco do Brasil

O Banco do Brasil lançou edital no dia 10/12 para seleção externa, com 8.630 vagas de escriturário para formação de cadastro de reserva em 8 estados e no Distrito Federal. Apesar da Fundação Carlos Chagas ter realizado o último concurso, em 2013, o edital atual é da Fundação Cesgranrio, a mesma que organizou o concurso em 2012. Para o gestor de conteúdo do Mapa da Prova, Delchi Bruce*, seria natural esperar que os dois editais compartilhassem boa parte do conteúdo programático. “Mas não é isso que você verá ao comparar os conteúdos dos concursos de 2012 e 2013”, explica. Veja a seguir a análise de Delchi.

As disciplinas do edital deste ano são:

  • Língua Portuguesa
  • Raciocínio Lógico-matemático
  • Atualidades do Mercado Financeiro
  • Cultura Organizacional
  • Técnicas de Vendas
  • Domínio Produtivo da Informática
  • Conhecimentos Bancários
  • Atendimento (focado em vendas)
    São muitas as diferenças em relação ao último certame. Podemos destacar algumas. Acompanhe:
  1. Foram separadas as disciplinas Matemática e Raciocínio Lógico (que no edital de 2012 eram cobradas juntas). No novo edital, a Cesgranrio dá menor ênfase à parte propriamente matemática vista no edital passado, como as **Funções Exponenciais e Logarítmicas**.
  2. Já a prova de Atualidades especializou-se e passou a cobrar apenas conhecimentos referentes ao Mercado Financeiro. Também foi dado maior espaço às disciplinas de Atendimento e Vendas, mas a alteração que chamou mais atenção foi a retirada da matéria Conhecimentos Bancários.
  3. Enquanto no edital de 2012 havia 97 itens e subitens de Conhecimentos Bancários, no novo edital são somente 30. Além disso, foram reduzidos os itens sobre Sistema Financeiro Nacional. Não serão cobrados no concurso deste ano temas relacionados à diferenciação dos principais tipos de bancos em funcionamento no Brasil como: Bancos Comerciais, Caixas Econômicas, Cooperativas de Crédito, Bancos Comerciais Cooperativos, Bancos de Investimento e Bancos de Desenvolvimento.
  4. As áreas de Produtos e Serviços Financeiros e Mercado de Capitais também foram reduzidas, não cobrando do candidato conhecimentos que usualmente se espera de funcionários de um Banco.
  5. A disciplina de Cultura Organizacional merece atenção, especialmente se você está acostumado a resolver provas que tragam questões de Administração. O motivo é que as questões de concursos para bancos - sejam elas para o BB, a Caixa, o Banestes, o BRB ou o BASA - diferem em muitas de suas interpretações daquelas usadas pelas provas tradicionais de Organização, Clima Organizacional ou Ética na Organização. Por isso, fique atento e estude, principalmente, por questões de bancos. Não se assuste, pois questões de concursos para bancos são escassas e, portanto, você terá que empenhar algum esforço para encontrá-as e, mais importante, resolver todas as que encontrar.
  6. Já a prova de Informática é funcional e inclui apenas temas que se relacionam diretamente com o uso regular do computador. Além das suites de escritório - da Microsoft e BrOffice - os conhecimentos exidos não trazem temas obscuros. Mas lembre-se: usar o navegador e e-mail todos os dias não faz com que você não precise estudar Informática. Faça questões de hardware e de Linux, que são os temas com os quais candidatos costumam ter menos familiaridade.
  7. As provas de Português da Cesgranrio costumam trazer muitas questões de pontuação e uso da crase, além de pedir para que sejam identificados os fragmentos com erros ortográficos ou de sentido.
    Por fim, tenha em mente que a Cesgranrio costuma cobrar quase todos os conhecimentos elencados no edital de forma bem distribuída na prova. Isso quer dizer que não é aconselhável estudar apenas alguns dos temas. Dedique-se a cada um dos pontos do conteúdo programático.

VEJA AQUI (E RESOLVA!) A PROVA ANTERIOR DA FUNDAÇÃO CESGRANRIO PARA O BANCO DO BRASIL - 2012.

Aproveite e veja também a prova da FCC DE 2013.

Bons estudos!

Delchi Bruce é Bacharel em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília (UnB) e Mestre em História das Relações Internacionais Contemporâneas pela University College of London. Foi funcionário da ONU, onde especializou-se em Análise de Conjuntura pela UCNY. É professor de Atualidades, comentarista e Gestor de Conteúdo do Mapa da Prova.

Compartilhar